Sonho que não se pode quebrar e não se pode quebrar e não se pode… // A.ves

Hits: 158
  • Data
    19 de fevereiro . sexta . 20h30
  • Duração
    110 min
  • Público alvo
    M/18 anos
  • Preço
    7,5 €
  • Observações
    Descontos aplicáveis | Lotação limitada a 40 lugares

A partir da obra The Dream de Henri Rousseau e Sestina for the Douanier de Sylvia Plath, obramos vagarosamente lugares [como potências oníricas]. Levemente trago palavras para suportar este ambiente visceral e quiçá libertá-lo, nesse universo onı́rico, desconhecido, estrangeiro. Da «imparcialidade» construída continuamente no subconsciente e corpo; florescem as flores de lótus, mas não cheira a pântano, a lodo, a putrefação. _algo está errado, belisco-me_; hipnotizam-se tigresas e leões, os pisam. _algo está errado, belisco-me_: chamam-se as cobras no deserto, vibrações inimigas arrancam-lhes o maxilar. _algo está errado, belisco-me_ “Imparcialmente” assistimos ao sonho de Yadwiga.

Yadwiga é, e sonha,

vive, no subconsciente,

A cobra é, fundadora e intemporal,

tem cores vibrantes,

Pigmentos

Sonha, a preto, a branco

Onde, é, que, está, o, teu?

Bio // A.ves cresceu pelo sopé da Serra d´Aire. Aos 14 anos começou a estudar dança na Escola O Corpo Da Dança - Torres Novas. Participou em 2 escolas de Verão no Festival Materiais Diversos, com Miguel Pereira e Teresa Silva (2015) e com o Marcelo Evelin (2016). Participou como performer na peça de Ana Borralho e João Galante "Gatilho da Felicidade" (2017), no projeto "P.E.D.R.A. - Clara Andermatt" (2018), na peça de Raimund Hoghe "Momentos of Young People" (2018), na peça de Pedro Barreiro "O Mandarim" (2018) e na peça "Velã" de Leonor Lopes (2020). Estudou na ESD em Lisboa (2017-2019) e na AHK em Amesterdão (2019-2020). O seu trabalho como criadora propõe refletir e abrir temas como empatia, queerness, herança e contaminação

Criação, texto e dramaturgia A.ves
Cocriação e performance
A.ves, Leonor Lopes, Patrícia Alves e Francisco Arez
Assistente performer
Leonor Mendes
Maquilhagem
Alice Antunes
Assistência
Josefa Pereira e Beatriz Pereira
Residências
O Corpo da dança – Torres Novas, Pólo Cultural das gaivotas Boavista – Lisboa, PENHA SCO Arte Cooperativa– Lisboa

Redes Sociais