Lusco-Fusco. Catarina Gonçalves e Filipe Caldeira

Hits: 22
  • Data
    Sexta, 18 de janeiro de 2019 | 15H00
  • 2ª Data
    Sábado, 19 de janeiro de 2019 | 11H00
  • Duração
    45min
  • Público alvo
    M6
  • Preço
    2€ - Escolas | 3€ Famílias | Lotação limitada a 80 lugares

Lusco-Fusco surge de um desejo de partilhar uma experiência sobre o vazio e o que ele pode conter. O vazio só contém ar! E o aborrecimento? Como é o vazio de estar tudo tão cheio que não encontramos nada? Será uma incubadora de acontecimentos?

Uma descoberta partilhada da matéria e do corpo em que a luz e a transição do tempo nos mostram o que há para ver numa relação de escala entre nós – o mundo e os inversos. Lusco-Fusco vê a vontade de ser um bocadinho inventor do seu próprio espanto e para isso desenha um espaço que pouco a pouco se torna numa invasão feita pela matéria que podemos com ela transformar e sermos transformados, mudá-la de lugar, levá-la connosco, arrastá-la e libertá-la. Deixá-la ser invadida por mãos e pés e cabeças que sentem. Os performers organizam o corpo para desaparecer, desobedecer e desaprender com a matéria e habitam um lugar aberto ao sensível e à própria perceção de cada criança.

 MÚSICOS, INTERPRETAÇÃO, CENOGRAFIA E RESPETIVOS INSTRUMENTOS

  • Direção e Interpretação Catarina Gonçalves e Filipe Caldeira
  • Dramaturgia Joana Bértholo
  • Direção Plástica Rita Westwood
  • Sonoplastia Filipe Lopes
  • Figurinos Jordann Santos
  • Desenho de Luz Cárin Geada
  • Voz off Eduardo Rego
  • Produção Executiva Circular Associação Cultural
  • Agradecimentos Constança Carvalho Homem, Amora Gonçalves Caldeira,
  • Sílvia Barbosa e Luís Filipe Silva
  • Coprodutores Teatro Municipal do Porto, São Luiz Teatro Municipal,
  • Comédias do Minho, Circular Associação Cultural, Teatro Aveirense





Bio
Filipe Caldeira inicia em 2000 o seu estudo em manipulação de objetos. Ao longo dos anos de prática o seu interesse vai-se desviando do virtuosismo técnico, dando primazia ao imaterial, ao corpo e à voz como gatilhos autónomos.

Catarina Gonçalves foca o seu trabalho na dança em contextos que questionam o corpo social/político e a relação entre público/performer. A aproximação à comunidade pauta o seu percurso artístico.


2€ - Escolas | 3€ Famílias | Lotação limitada a 80 lugares

Share It!
Tagged under: Teatro

Related Articles